Sábado, 15 de
Junho de 2024
Direito & Justiça

Réu

Empresário se torna réu por matar a ex a tiros

Conforme MP, mulher registrou diversas ocorrências por causa de violência doméstica

Foto: Reprodução/Redes Sociais e TV Anhanguera
post
Regiane Pires da Silva e o momento em que ela leva um tapa antes de ser morta a tiros, em Anápolis - Goiás

20 abril, 2024

O ex-marido da empresária morta dentro de uma loja se tornou réu pelo crime, conforme o Ministério Público de Goiás. Um vídeo registrou o momento em que o suspeito entrou no escritório, deu um tapa na mulher e, em seguida, efetuou os disparos, em Anápolis, a 55 km de Goiânia (GO). O suspeito se tornou réu após a denúncia do MP-GO ser acolhida pelo Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. O acusado vai apresentar a defesa e, posteriormente, será julgado por descumprir a medida protetiva, violência doméstica contra a mulher, homicídio por motivo torpe e porte ilegal de arma. Ao g1, o advogado do homem argumentou que o cliente é um Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador (CAC), e que por isso tinha arma de fogo. Quanto ao crime de homicídio, o advogado afirmou que as provas não foram devidamente apresentadas. Conforme o MP, o relacionamento dos dois era "conturbado" por causa de ciúmes e Regiane Pires da Silva, após registrar ocorrências por causa de violência doméstica, pediu medida protetiva contra o homem no final de outubro de 2023. Conforme a denúncia oferecida à Justiça, o crime teria sido motivado por ciúmes e briga por divisão de bens. Os dois tinham duas lojas de venda de peças de automóveis, que ficam uma perto da outra. Segundo o documento, Regiane Pires da Silva pediu o divórcio no início do ano, mas o ex-marido tentava reatar o casamento. Com o avanço do processo de separação, o homem começou a espalhar notícias de que a mulher estava o traindo para tentar impedir a divisão de bens.

Entenda o caso
O crime aconteceu no dia 28 de março. De acordo com o MP, a vítima pediu que uma funcionária fosse até a outra loja, administrada pelo ex-marido, pedir que ele ajudasse a encontrar a chave de um cofre onde ficavam guardadas as joias dela. Segundo a funcionária, o homem autorizou que ela procurasse a chave e disse que iria até o carro buscar algo. O suspeito, então, pegou a arma do crime e foi até a loja onde Regiane estava, descumprindo a medida protetiva. Ao chegar a loja onde Regiane estava, o homem passou por dois funcionários, e se dirigiu ao escritório dela, onde agrediu a mulher e, posteriormente, efetuou os três disparos. Os funcionários ouviram os gritos de socorro da vítima, mas, quando chegaram ao local, ela já estava morta. Segundo o MP, ao sair da loja rumo ao carro, o homem ainda fez um outro disparo em via pública e depois fugiu. Na cidade de Senador Canedo, o suspeito entregou o carro e a arma usada no crime a um sobrinho e fugiu em outro veículo. Ao ser interrogado, o sobrinho alegou que só foi até o local após ser induzido ao erro. Ele não foi denunciado. O suspeito fugiu para Tocantins, onde foi preso. A denúncia do Ministério Público de Goiás foi aceita pelo Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher no dia 12 de abril.